Bahia By

A Bahia com estilo, expressada por diversas personalidades, através de entrevistas divertidas e interessantes

Espetáculo A Desejada inicia temporada no Teatro SESI Rio Vermelho

Original

Inspirado nos mitos sobre Don Sebastião, de Portugal, solo de Nayara Homem reestreia

em 14/08/2017

A atriz Nayara Homem celebra 15 anos de palco com seu primeiro solo teatral, intitulado A Desejada – Desvariações sobre o Mito de D. Sebastião, que chega a sua segunda temporada, em cartaz no Teatro SESI Rio Vermelho, de 11 de agosto a 29 de setembro, sempre sextas às 20h. O espetáculo conta a história de Dom Sebastião, rei de Portugal, que virou mito seja por suas práticas, seja pelas questões não respondidas sobre seu gênero e o fato de nunca ter aceitado nenhum casamento. Uma viagem nos universos do masculino e do feminino, do ser e do parecer, a devastadora luta do indivíduo e o seu destino.

A Desejada aposta nas várias perguntas desse rei sobre sua própria existência, sua sexualidade e sua condição de gênero. Seria uma invenção para manutenção do poder nas mãos de sua família? O texto, a direção e concepção visual são do espanhol Moncho Rodriguez, que trabalhou com Nayara Homem em residência artística na cidade de Fafe, em Portugal, onde teve a preestreia em dezembro de 2015. Fruto de uma pesquisa conjunta dos dois artistas, a montagem bebe na intrigante história do monarca português.

De acordo com o historiador Artur Coimbra, em A Desejada, “uma atriz vive o conflito de ter que habitar num corpo masculino de um rei, predestinado à morte para alimentar o sonho do seu povo, do seu reino de uma liberdade utópica. No meio do percurso da sua interpretação descobre que o ama da mesma forma como se ama e que o quer salvar para salvar-se”. O rei foi filho único da Rainha Joana, salvando a coroa de ser destinada para Espanha. Nunca casou-se, tendo seu primeiro casamento cancelado por conta de uma doença venérea contraída aos 11 anos. Não teve convívio com mulheres e foi afastado da mãe ainda bebê. Sua veia guerreira o fez buscar muitas batalhas e a historiografia oficial conta que morreu em combate no Marrocos, mesmo nunca tendo seu corpo sido encontrado. No espetáculo, entram em evidência as contradições da personagem e da atriz, um exercício de busca de si.